AMBIENTALIZAÇÃO CURRICULAR EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

Contenido principal del artículo

Autores

Paula Gabriela Costa
Poliana Barbosa da Riva Poli
Ana Tiyomi Obara

Resumen

A ambientalização curricular permite a vivência de princípios, atitudes e valores relacionados a sustentabilidade, de modo a propiciar na comunidade universitária não apenas práticas, mas a incorporação de valores que são refletidos para sociedade em geral. Sendo assim, este trabalho teve como objetivo realizar uma revisão de artigo científicos a partir de buscas em bases de pesquisas nacionais e internacionais para promover o diálogo sobre ambientalização curricular no ensino superior, destacando suas metodologias e resultados. Para a coleta de dados foram consultados artigos científicos entre o período de 2006 a 2016 nas bases de dados Scielo (Scientific Electronic Library Online) e Portal de Periódicos da CAPES (Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior), utilizando-se os descritores “ambientalização curricular ensino superior”, “currículo meio ambiente”, “environment curriculum” e “Environmentalization”. Para esta pesquisa, foram selecionados 10 artigos publicados em diferentes revistas. Conclui-se que a ambientalização se faz cada vez mais presente nas discussões referentes aos conteúdos curriculares, porém, é preciso que esta passe a ser considerada como fundamental na gestão universitária.

Detalles del artículo

Licencia

  1. Los autores conservan los derechos de autor y garantizan a la revista el derecho de ser la primera publicación del trabajo al igual que licenciado bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 2.5 Argentina. que permite a otros compartir el trabajo con un reconocimiento de la autoría del trabajo y la publicación inicial en esta revista.
  2. Los autores pueden establecer por separado acuerdos adicionales para la distribución no exclusiva de la versión de la obra publicada en la revista (por ejemplo, situarlo en un repositorio institucional o publicarlo en un libro), con un reconocimiento de su publicación inicial en esta revista.
  3. Se permite y se anima a los autores a difundir sus trabajos electrónicamente (por ejemplo, en repositorios institucionales o en su propio sitio web) antes y durante el proceso de envío, ya que puede dar lugar a intercambios productivos, así como a una citación más temprana y mayor de los trabajos publicados (Véase The Effect of Open Access) (en inglés).

Referencias

ACSELRAD. H. Ambientalização das lutas sociais. Revista estudos avançados, São Paulo, 24(68),pp. 103-119, 2010.
ALBERT, B. O ouro canibal e a queda do Céu: uma crítica xamânica da economia política da natureza. Série Antropologia, 174. Brasília, pp. 1-33, 1995.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3ª ed. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2007.
BAUER, M. W.; GAASKELL, G. (Ed.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 6ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.
BILERT, V. S. S. O desafio da ambientalização na formação universitária. Revista eletrônica em gestão, educação e tecnologia ambiental. Santa Maria, v. 18 n. 3, p.1154-1161, 2014.
BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília, 1998.
BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia: Resolução CNE/CES 11/2002. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002. Secção 1, p.32. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2009.
BUSQUETS, M. D.; LEAL, A. A. Educação para saúde. In: BUSQUETS, M.D.; CAIZOS, M.; FERNÁNDEZ, T.; LEAL, A.; MORENO, M.; SASTRE, G. Temas transversais em Educação: bases para uma formação integral. 6.ed. São Paulo: Ática, p.61-103, 2000.
CAMPONOGARA, S.; VIERO, C. M.; SARI, V.; ERTHAL, G. A abordagem da interface saúde e meio ambiente na formação profissional de enfermeiros. Revista Gaúcha Enfermagem, Porto Alegre (RS), 32(4) p. 647-53, dez. 2011.
FARIAS, C. R. O. A ambientalização do currículo do ensino básico segundo nossos olhares e práticas de pesquisa. IX Congreso Internacional Sobre Investigación En Didáctica De Las Ciencias. 1171-1175, 2013.
GAUDIANO, E. G. Outra lectura a la historia de la educación ambiental em América Larina y el Caribe. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n.03, p. 141-158, jan/jun 2001.
GIMENO, J. S. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre:; Artmed Editora, 2000.
GUERRA, A. F. S. (Org.) Ambientalização e sustentabilidade das universidades: subsídios, reflexões e aprendizagens. Itajaí: Ed. Da UNIVALI, 2015.
GUERRA, A. F. S; FIGUEIREDO, M. L. Ambientalização curricular na Educação Superior: desafios e perspectivas. Educar em Revista, Curitiba, n. 3, p. 109-126, 2014.
JORGE, L. Inovação curricular: além da mudança dos conteúdos. Piracicaba: UNIMEP, 1996.
JUCKER, R. “Sustainability? Never heard of it!” Some basics we shouldn't ignore when engaging in education for sustainability. International Journal of Sustainability in Higher Education, v. 3, n. 1, p. 8-18, 2002.
JUNYENT, M.; GELI, A. M. Características de la ambientalización curricular: modelo ACES. Proceso de caracterización de la ambientalización curricular de los estudios superiores, Universitat de Girona – Red Acess, v. 2, 2003.
LAYRARGUES, P. P et al. O que pensam os alunos da UBN- planaltina sobre a gestão ambiental universitária. IN: Seminário Nacional de Meio Ambiente e Extensão Universitária, 2010, Marechal Cândido Rondom. Anais... Marechal Cândido Rondom: MEC, 2010. P. 1-8. CD-ROM.
LEFF, H. Ambiente, interdisciplinariedad y currículum universitario: la educación superior em la perspectiva del desarollo sustentable. In: ALBA, A. El Currículum Universitario: de cara al nuevo milenio. S. Rafael: Centro de Estudios sobre la Universidad; Plaza y ValdésEditores, 1997. p. 205-211.
LEITE, D. Reformas universitárias: avaliação institucional participativa. Editora Vozes, 2005.
LEONELLO, V. M.; L’ABBATE, S. Health education in schools: an approach based on the curriculum and perception of undergraduate education students. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.10, n.19, p.149-66, jan/jun 2006.
LOPES, J. S. L. Sobre processos de ambientalização dos conflitos e sobre dilemas da participação. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, 12(12), pp. 31-64, 2006.
MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2003.
MAY, T. Pesquisa social: questões, métodos e processos. 3ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.
MEIHY, J.C.S.B. Manual de história Oral. 3ª ed. São Paulo: Loyola, 2000.
OLIVEIRA, M. G.; CARVALHO, L. M. Os projetos político-pedagógicos dos cursos de pedagogia e os temas ambientais: o caso das universidades federais brasileiras. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 30, n. 2, 445-472, maio-ago. 2012.
PAVESI, A. A Escola de Engenharia de São Carlos (EESC-USP) diante do desafio da ambientalização curricular dos cursos de graduação. Revista de Ensino de Engenharia, v. 30, n. 1, p. 24-34, 2011.
PAVESI, A. A ambientalização da formação do arquiteto: o caso do Curso de Arquitetura da Escola de Engenharia de São Carlos (CAU, EESC-U SP). São Carlos: UFSCar, Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Educação. 2007. 199 p.
PAVESI, A.; FREITAS, D. de. Desafios para a ambientalização curricular no ensino superior brasileiro. IX Congreso Internacional Sobre Investigación En Didáctica De Las Ciencias. Girona, p. 2678-2682,set. 2013
POUPART, J.; DESLAURIERS, J. P.; GROULX, L. H.; LAMPERRIERE, A.; MAYER, R.; PIRES, A. P. A pesquisa Qualitativa: Enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
RÍOS, C. MARÍA M.; ROMERO H., NICK A.; CASTILLO S., ANAID A.; CASTILLO S., AIADNA M. Estudio preliminar de la dimensión ambiental en la UPEL Maracay: Instituto Pedagógico “Rafael Alberto Escobar Lara”. Investigación y Postgrado, Caracas, Venezuela, vol. 27, núm. 2, pp. 89-129 jul. dec., 2012.
RODRIGUES, C. A ambientalização curricular de programas de Educação Física em universidades federais do Brasil. Revista Brasileira Educação Física Esporte, São Paulo, 29(3), p. 421-37, jul/set 2015.
ROSA, T. R. V.; MALACARNE, V. Formação Docente e Sustentabilidade. Um Estudo sobre Ambientalização Curricular no Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 14(3), p. 95-107, 2016.
SOUZA, C. L. de; ANDRADE, C. S. Saúde, meio ambiente e território: uma discussão necessária na formação em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 19(10), p. 4113-4122, 2014.
THOMAS, I. Sustainability in tertiary curricula: what is stopping it happening? International Journal of Sustainability in Higher Education, v.05, n. 01, p. 33-47, 2004.
VIERTLER, R. B. Métodos antropológicos como ferramenta para estudos em etnobiologia e etnoecologia. In: AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. P. (Ed.) Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatadas. Rio Claro-SP: Coordenadoria de Área de Ciências Biológicas – UNESP/CNPq, 2002.
ZUIN, V. G.; FARIAS, C. R.; FREITAS, D. de. A ambientalização curricular na formação inicial de professores de Química: considerações sobre uma experiência brasileira. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v.8, n. 2, p. 552-570, 2009.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.